Depois de muitas tempestades: Como se reconectar ao cônjuge?!

Ás vezes a vida parece dar um golpe muito duro na gente e então depois de muitas brigas e desentendimentos o casal vê que a relação mudou e talvez em vez deamigos, ambos se tornaram comoestranhos.
Se essa história tem a sua cara, o primeiro passo é tentar realinhar as emoções. Eu acredito em constância de amor e creio que, a não ser pela nossa própria cegueira, outra coisa não é capaz de nos confundir ou nos fazer afastarmo-nos de quem um dia dissemos amar para sempre!
Se de alguma forma, hoje você percebe que as coisas se modificaram um pouco ou talvez, muito mais do que deveria ou que você gostaria, é hora de arrumar as coisas e mudar a situação!
Reconectar-se exige…
Exige tempo e determinação, chega de dar brecha para fofocas, para osdesentendimentos, para as brigas, acabem com isso de uma vez, se isso se tornou rotina, mude, comece por você, não vá achando que o outro terá todas as soluções que vocês necessitam; muitas vezes as mudanças terão de partir de você!
Reconectar-se ao outro exige dedicação
Dedicação é uma palavra que para muitos casamentos já foi esquecida, sabe pegar a mulher nos braços, sair para dançar, sair para jantar, sair para namorar num lugar romântico… São esses tipos de coisas que também fortalecem o amor, que faz com que a ligação entre o casal se torne forte e resistente, mesmo em meio às dificuldades, quando você tira tempo para fazer essas coisas, você está dizendo ao outro que se importa com o relacionamento e que passar mais tempo juntos é essencial!
Reconectar-se exige compreenderem-se
Nem sempre você estará bem, e geralmente quando não estamos muito bem, tendemos a explodir com o outro, isso faz parte de uma falha nossa – descontrole das próprias emoções e sentimentos; porque se podemos nos conter e mudar a situação, por que se alterar e descontar em nosso companheiro?
Se estamos junto de alguém, é porque, no mínimo devemos contar com essa pessoa, portanto, para quem deseja ter um bom relacionamento é preciso compreender que terdomínio das próprias emoções faz a diferença!
Postar um comentário