Transformando seu casamento...

"Deus tem um bom senso de humor. Se não, nunca teria juntado pessoas tão diferentes na instituição sagrada que chamamos "casamento".

O introvertido casa-se com a "vida da festa"; o "dorminhoco" se junta àquela que acorda com os pássaros; ele esmaga o tubo de pasta de dente; ela faz carinho no tubo para persuadir a pasta a sair; ele coloca o papel higiênico para sair de cima, ela de baixo; ele quer tirar férias nas montanhas, ela na praia; ele gosta de churrascarias, ela adora comida chinesa; ele expressa amor através de atos de serviço; ela quer ouvir as palavras "Te amo"; ele quer dormir com a janela aberta e o ventilador ligado, mesmo no inverno; ela usa 2 cobertores mesmo com a temperatura 35 graus.

Infelizmente, nem todos acham graça nas diferenças que existem em todos os casais. Pior, às vezes diferenças como estas levam alguns casais à conclusão de que são incompatíveis. Logo nos primeiros anos de casamento ficam desiludidos, frustrados, decepcionados. Não tem que ser assim. Para valorizarmos a individualidade de cada um, precisamos entender o propósito divino por trás das diferenças entre nós. Além disso, precisamos aprender a aproveitá-las para tornar o casamento ainda mais forte.
Deus chamou o homem e a mulher para se completarem, não para competirem! Por que as diferenças? Para entendermos este "senso de humor divino" que une pessoas tão diferentes, precisamos voltar para o estabelecimento do casamento dentro do plano de Deus.

Em Gênesis 2.15-24 descobrimos alguns princípios importantíssimos que explicam por que o ditado opostos se atraem é verdade para tantos casais.

1. O homem precisava de ajuda para realizar sua tarefa no jardim. Quando Deus fez o homem e o colocou no Jardim do Éden, deu-lhe a tarefa de cuidar e cultivá-lo (Gn 2.15). Mas logo em seguida Deus declarou que a situação do homem sozinho não era bom (2.18). Esta é a única vez em 6 dias de criação que Deus fala que algo não era bom. Em outras palavras Deus disse "Não dá! O homem não consegue realizar tudo que eu quero na Terra. Está faltando alguém." O que faltava era a mulher, Eva. Em Gênesis 2.18b e 20 ela foi chamada de auxiliadora idônea. Infelizmente muitos têm torcido estes termos para fazer da mulher-esposa uma espécie de capacho automatizado. Nada pode ser mais longe da verdade.

O termo auxiliadora não significa escrava, alguém para lavar sua roupa e fazer sua comida. A mesma palavra hebraica foi usada de somente uma outra pessoa no Velho Testamento, o próprio Deus! Deus é nosso auxílio (Sl 33.20), amparo (Sl 115.9-11) socorro (Os 13.9) e ajuda (Dt 33.7). Em outras palavras, Ele socorre os seres humanos na hora das suas maiores necessidades.

Seria difícil imaginar um termo mais nobre. Pela sua graça, Deus colocou um representante de Si mesmo ao lado de cada casado, um auxílio e amparo que socorre e ajuda em todas as necessidades. Assim é a esposa para o homem e, por implicação, o homem para sua esposa.

2. Deus criou a mulher para completar o que faltava no homem, e vice-versa. O outro termo, idônea, literalmente significa conforme o seu oposto. Em outras palavras, a mulher corresponde ao homem mas também completa o homem. Ela é o que ele não é, faz o que ele não faz, supre o que ele não tem, e vice-versa. Assim como os dedos de duas mãos se entrelaçam, homem e mulher juntos fecham as respectivas falhas na vida de cada um.

Como aproveitar as diferenças? Infelizmente demorei um pouco para perceber que diferenças contribuem para a saúde do casamento. Cedo no nosso casamento fiz de tudo para criar minha esposa na minha própria imagem (Deus nos ajude!). Gosto demais de fazer longas listas de afazeres; minha maior paixão na vida é de colocar um “X” ao lado de uma tarefa já feita. (Sou tão obsessivo que às vezes faço uma tarefa que não consta na minha lista, e depois de feita escrevo-a na lista de afazeres, só para ganhar mais um “X”!) A minha esposa não é tão neurótica assim. De fato, fora o deslize de ter se casado comigo, as pessoas acham ela normal. Mas nos primeiros anos do nosso casamento pensei que ela precisava ser mais organizada (apesar do fato de que eu esqueço mais que ela).

Tentei convencê-la da necessidade de escrever tudo numa linda lista de afazeres, como eu fazia. Não deu em nada, graças a Deus! Foi quando comecei a perceber que nunca queria casar-me comigo mesmo. Escolhi minha esposa pelo fato de ela ser diferente de mim. Lembro-me de um outro erro machista que cometi. Imaginava que, como varão eu tinha que cuidar das finanças familiares, apesar do fato da minha esposa ser muito mais econômica e atenciosa a detalhes financeiros. Depois que eu soltei um bom número de cheques sem fundo, inclusive para o governo federal, concluí que nosso casamento seria bem mais forte se ela cuidasse desta área. (É difícil cultivar um casamento sólido quando um cônjuge está na cadeia!) E descobri que aproveitar das áreas fortes da minha esposa não era uma ameaça a minha masculinidade.

Um dos segredos de um bom casamento não é que os dois eliminam as diferenças entre si com o passar do tempo. A chave é saber trabalhar as diferenças! Um exemplo da biologia ilustra este princípio. Dizem que quanto mais diversificados os genes, mais forte se torna a espécie. Isso pelo fato de que quando dois animais com genes semelhantes cruzam, tendem a reforçar as fraquezas na espécie. Mas a diversidade genética enriquece e fortalece a cria, pois genes prejudiciais são contrabalançados por genes bons. O casamento é assim também. O casal esperto sabe aproveitar as diferenças entre si para ministrar um para o outro justamente nas áreas de fraqueza ou falha.

Por exemplo: Uma esposa extrovertida ajuda seu marido tímido em situações onde ele se sente desconfortável; Um marido que não enxerga bem à noite deixa que sua esposa dirija o carro de volta para casa; Uma esposa com muita capacidade de discernimento usa seu “sexto senso” para advertir o marido contra maus negócios; Um marido perfeccionista ajuda sua esposa ativista a melhorar a qualidade de seu serviço; Uma esposa compassiva amolece a rigidez do seu marido que tem gênio forte; Um marido menos acadêmico conta com a ajuda da sua esposa estudiosa para preparar sua aula de escola dominical.

Poderíamos multiplicar os exemplos, mas o ponto está claro: O casal sábio aprende cedo a trabalhar as diferenças entre eles para fortalecer e não enfraquecer seu lar. Este casal sabe que as diferenças foram criadas por Deus não para criar competição, mas sim complementação em casa. “Quando sou fraco, então ela é forte” e vice-versa. Foi um bom senso de humor divino que fez o casal assim. É bem melhor dar risada às diferenças entre nós do que discutir sobre elas.

Agora só preciso aprender a enrolar o tubo de pasta de dente de baixo para cima. Mas será que consigo achar um bom restaurante chinês nas montanhas?

Por Pr. Davi Merkh

Está casado com sua esposa Carol há 22 anos e têm 6 filhos. Leciona no Seminário Bíblico Palavra da Vida, ministra como pastor auxiliar de exposição bíblica na Primeira Igreja Batista de Atibaia Autor de 14 livros com temas voltados para ministério criativo e o lar cristão pelas Editoras Hagnos e Atos.
Não desista dos seus sonhos!

casamentorestaurado@gmail.com "






CLIQUE AQUI SE VC DESEJA LER OUTRAS MENSAGENS SOBRE CASAMENTO:

Postar um comentário