A importância dos relacionamentos pessoais

"Era de tarde quando eu estava em casa estudando para um concurso público. O computador estava ligado e a internet, conectada. Muitos emails chegavam. A maioria deles era irrelevante. Então, eu recebi uma visita inesperada. Era um antigo irmão em Cristo e membro de minha igreja. Ele veio me convidar para um culto em sua casa para comemorar os seus 89 anos. Infelizmente tive de recusar o convite por causa de minhas aulas à noite.

O que me chamou a atenção foi o fato de ele ter vindo pessoalmente me convidar. Como são raras essas visitas! Ele poderia ter me enviado um email, ou poderia ter me telefonado, ou, na pior das hipóteses, me enviado uma carta pelo correio. Mas pasme. Ele veio aqui! Oh, sim. Ele veio aqui! Ele poderia ter evitado o grande esforço para andar os aproximados 400 metros entre sua casa e a minha, levando em consideração a sua dificuldade de andar. Que pena. Eu não poderia mesmo estar na casa dele na hora da festa.

Com essa atitude ele me reensinou a importância insubstituível dos relacionamentos pessoais e a frivolidade dos relacionamentos virtuais. Isso me mostrou que ter relacionamentos pela internet, sem olho no olho, é piada, é brincar de coleguismo – a menos que a pessoa esteja muito longe. Ele deixou bem claro que se importa comigo e que minha presença na sua festa seria uma honra para ele. Como serão os relacionamentos de uma geração que está crescendo e aprendendo a se relacionar com máquinas e não com pessoas?

No fim da nossa conversa ele me disse: "Tudo bem. Fica para os 90, se Deus permitir que eu chegue lá". Ah, irmão Sebastião, com poucas e frágeis palavras o senhor ainda é capaz de ensinar muita coisa boa para nós."

Autoria: Felipe Luiz Fernandes da Silva - felipelfsilva@gmail.com


 
Postar um comentário