PERSPECTIVAS DO CUIDADO MISSIONÁRIO





Alguns trechos importantes do livro “PERSPECTIVAS DO CUIDADO MISSIONÁRIO”

“As desculpas são muitas para não cuidarmos de nossos missionários: a falta de recursos, de tempo, de compreensão da tarefa missionária e do dever da igreja, a idéia de que o missionário vai a campo fundamentado apenas numa vocação pessoal e outras. Ao mesmo tempo, dizemos que o missionário é o recurso mais valioso. A incoerência tem trazido grandes prejuízos à força missionária brasileira e às de outras partes do mundo.”

“O acolhimento é uma ação que engloba todas as esferas da vida de uma pessoa em missões. Então, trata-se de acolher e acompanhar toda a jornada da missão na vida do missionário: seus projetos para o campo, suas lutas externas ao se estabelecer em determinado lugar, seus medos e suas dúvidas naquilo que é novo para ele, suas insuficiências e erros no exercício da missão, na orientação e no pastoreio para a sustentação da fé e da motivação, na expansão do Evangelho através de sua vida. Nesse sentido, o acolhimento como cuidado em missões, só se poderá realizar numa ação de corresponsabilidade entre as 3 partes que efetivamente podem sustentar a missão, como já foi dito: a igreja enviadora, a agencia ou junta missionária e a pessoa do missionário”.

“A missão não é do missionário nem da igreja nem tão pouco das agencias de juntas missionárias. Ela é unicamente do Deus Altíssimo. Nossa participação nesse evento tão grande e magnífico se restringe a simples manifestação de cuidado com aquilo que foi colocado em nossas mãos: a vida humana”

“De forma geral, portanto, além das orações do envolvimento prático e do apoio técnico, o que o missionário mais necessita, ao longo da sua carreira, é encorajamento. Se pudermos encorajá-lo a caminhar mais, perseverar mais e crer um pouco mais, certamente ele cumprirá seu chamado, guardará a sua fé e a sua alegria.”

A IMPORTÂNCIA DE ORAR PELO MISSIONÁRIO

“O missionário e pastor Ronaldo Lidório fez uma pesquisa com os missionários que estão em campo transcultural e constatou que a solidão é um grande desafio que os afeta e que eles precisam superar.”

Precisamos orar mais pela vida pessoal e ministerial dos missionários, para que enfrentem as lutas com a força do Senhor e também incentivá-los a orar mais, pois “A oração torna o missionário mais capaz de perceber o agir soberano de Deus.”

Muitas vezes as cartas que os missionários enviam com pedidos de oração não são exatamente o que gostariam de expressar, porque não sabem onde a mesma chegará,e também para não ficarem expostos por exemplo a lugares onde a igreja é perseguida. Precisamos ter a sensibilidade no Senhor para clamar muito além do que eles colocam como pedidos de oração.

A IMPORTÂNCIA DE CONTRIBUIR COM A SAÚDE FÍSICA DO MISSIONARIO

“Investir na saúde ajuda o missionário a prolongar seus anos de serviço ao Senhor. Vários missionários tiveram que retornar precocemente do campo por problemas de saúde. Esta é uma das principais causas de retorno de missionários”

“Promover ao missionário a partir de exames clínicos uma compreensão detalhada do seu contexto geral de saúde orgânica, para conhecimento de seus limites e atuação no cuidado de sua saúde”.

A IMPORTÂNCIA DE APOIARMOS FINANCEIRAMENTE COM RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO – Ofertar esporadicamente não é ofertar com compromisso

Somente incentivar e não dar recursos não é apoiar o suficiente. Tem que haver parceria.

“A igreja brasileira precisa aprender a manter seus missionários. Missionários não são mendigos, são os heróis da igreja. Não vivem de ofertas esporádicas. Comem todos os dias como qualquer um de nós. Há igrejas que fazem uma oferta anual para missões. Mas missionários são como os pastores, têm despesas todos os meses. Precisamos tratar os missionários com mais dignidade. Eles correm riscos de vida, e sofrem desgastes emocionais porque precisam deixar sua cultura, famílias e igrejas para cumprirem sua vocação... Quando chegam ao campo, gastam muito tempo para aprender o idioma do povo que irão servir. São embaixadores do Reino, os valentes de Deus. Precisam de salários dignos e regulares. A igreja precisa entender que quando sustenta missionários, não está tendo despesas, pelo contrário, está investindo no Reino. E esta é a melhor causa a ser considerada. Oswald Schimitt enfatiza: “Se Deus quer a evangelização do mundo, mas te recusas a sustentar missões, então te apões a vontade de Deus. Investir no Reino é o único investimento eterno. Todos os outros tem uma duração temporal.

O missionário não deveria ter preocupações com o seus sustento. Tantas vezes fico sabendo daqueles que estão voltando mais cedo do campo, para de novo peregrinar de igreja em igreja buscando renovação dos compromissos financeiros, a fim de novamente ter sustento suficiente e poder se manter no campo missionário. Outros, ao chegarem às suas igrejas enviadoras, encontram mais infectadas com os vírus destruidores de missões. Por causa disso, ou terão que mudar de igreja e recomeçar um longo processo para que a nova igreja possa reenviá-los, ou desistem e arranjam um trabalho na igreja local onde padecerão menos com essa questão de sustento.

Somente quando corrigirmos as distorções historicas voltadas às prioridades de Deus, tivermos pregações que equilibram teologia com missiologia, e os crentes estiverem convictos das bases bíblicas da contribuição financeira, veremos nossos missionários sofrerem menos com desgates financeiros.

Que Deus nos ajude a ser mais responsáveis por esta causa”

FILIPENSES 1.3-8; 4.10-20 (TEXTO EM QUE O APÓSTOLO PAULO DEMONSTRA GRATIDÃO E ALEGRIA PELO APOIO DADO PELA IGREJA DE FILIPENSES)

Agradeço a meu Deus toda a vez que me lembro de vocês. Em todas as minhas orações em favor de vocês sempre oro com alegria por causa da cooperação que vocês tem dado ao Evangelho, desde o primeiro dia até agora. Estou convencido de que, Aquele que começou a boa obra em vocês, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus.

É justo que eu assim me sinta a respeito de todos vocês, uma vez que o tenho em meu coração, pois quer nas correntes que me prendem, quer defendendo e confirmando o Evangelho, todos vocês participam comigo da graça de Deus. Deus é minha testemunha de como tenho saudade de todos vocês, com a profunda afeição de Cristo Jesus.”

Alegro-me grandemente no Senhor, porque finalmente vocês renovaram o seu interesse por mim. De fato, vocês já se interessavam, mas não tinham oportunidade para demonstrá-la. Nâo estou dizendo isso porque esteja necessitado, pois aprendi a adptar-me a toda e qualquer circunstancia. Sei o que é passar necessidade e sei o que é ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade. Tudo posso naquele que me fortalece.

Apesar disso, vocês fizeram bem em participar de minhas tribulações. Como vocês sabem, filipenses, nos seus primeiros dias de Evangelho, quando parti da Macedonia, nenhuma igreja partilhou comigo no que se refere a dar e receber, exceto vocês; pois estando eu em Tessalônica, vocês me mandaram ajuda, não apenas uma vez, mas duas, quando tive necessidade. Não que eu esteja procurando ofertas, mas o que pode ser creditado na conta de vocês. Recebi tudo, e o que tenho mais que suficiente. Estou amplamente suprido, agora que recebi de Epafrodito os donativos que vocês enviaram. São uma oferta de aroma suave, um sacrifício aceitável e agradável a Deus. O meu Deus suprirá todas as necessidades de vocês, de acordo com as gloriosas riquezas em Cristo Jesus.

Ao nosso Deus e Pai, seja a glória para todo o sempre.”
Postar um comentário