Vc confia mesmo, em Deus?

"Tendo Herodes morrido, eis que um anjo do Senhor apareceu em sonho a José, no Egito, e disse-lhe:
Dispõe-te, toma o menino e sua mãe e vai para a terra de Israel; porque já morreram os que atentavam contra a vida do menino.Dispôs-se ele, tomou o menino e sua mãe e regressou para a terra de Israel.Tendo, porém, ouvido que Arquelau reinava na Judéia em lugar de seu pai Herodes, temeu ir para lá; e, por divina advertência prevenido em sonho, retirou-se para as regiões da Galiléia.
E foi habitar numa cidade chamada Nazaré, para que se cumprisse o que fora dito por intermédio dos profetas: Ele será chamado Nazareno." Mateus 2.19-23


Quando Jesus nasceu, o rei Herodes tentou descobrir onde ele estava para matá-lo. Então, o anjo do Senhor apareceu a José em sonho e mandou-o se esconder no Egito até que fosse ordenado voltar. E José foi juntamente com Jesus e Maria. Até que em outra oportunidade, novamente o anjo do Senhor apareceu em sonho a José, dizendo que haviam morrido os que desejavam matar Jesus, e que assim, poderiam voltar a Jerusalém.

Mesmo tendo ouvido a voz do anjo a mando do Senhor, José temeu porque quem reinava era o filho de Herodes, e este poderia pensar em querer matar Jesus, assim como seu pai. Mesmo com seu medo, preferiu confiar no Senhor, pois se Ele ordenou, é porque sabe o que está fazendo. E Jesus foi crescendo, e conhecido como Nazareno, porquanto passou a viver em Nazaré.

Será que em meio ao nosso medo temos confiado nas circunstâncias ou no rumo que Deus dará a essas circunstâncias? Deus é Onisciente, Onipresente e Onipotente. Se Ele te mandar ir, vá. Se mandar fazer, faça. Se mandar ser, seja, etc.

Deus tem poder para todas as coisas, mas nos deu o livre-arbítrio para deixarmos que Ele faça em nossa vida. Apesar do medo, José preferiu confiar no Senhor. E foi honrado, pois o que ele temia, não aconteceu.

Se vc se sentiu tocado com essa mensagem, repasse-a com a indicação do meu blog, que é onde se encontra essa e outras mensagens para o seu coração.

Juliana do N. Meni
Postar um comentário