Evite as conversas inúteis e profanas

Evite as conversas inúteis e profanas, pois os que se dão a isso prosseguem cada vez mais para a impiedade. (2 Timóteo 2:16)

Uma das áreas em minha vida que tive de aprender a obediência ao Senhor foi em minha maneira de falar – ou, para ser mais precisa, saber quando devo parar de falar.
Se você é falador como eu, entende porque digo que há ocasiões quando falamos ungidos pelo Espírito Santo, e outras quando falamos em vão, quando não faz sentido, é só papo furado – o tipo de comunicação sobre a qual o apóstolo Paulo adverte o jovem Timóteo em sua carta, citada no versículo acima.

Houve ocasiões em que recebíamos visitas em nossa casa e eu acabava de dizer tudo o que o Senhor queria que eu dissesse, mas mesmo assim não parava de falar. 
Geralmente podemos identificar quando deixamos de estar ungidos por Deus e começamos a ser somente nós, na carne – na nossa própria força. Depois deste ponto eu começava a tagarelar, e não dizia verdadeiramente nada de valor, ou repetia a mesma coisa vez após vez.

Às vezes, quando as pessoas iam embora de nossa casa eu me sentia exausta. Se tivesse parado de falar umas duas horas antes, quando o Senhor havia me dito, não estaria tão desgastada!  O requisito especial que o Senhor queria que eu aprendesse era dizer o que Ele queria que eu dissesse, e então parar.

Já lhe aconteceu de estar conversando com alguém sobre um assunto delicado e então a conversa toma um rumo tal que se torna um pouco acalorada? Dá para sentir que as emoções estão começando a ficar fora de controle, e aquela vozinha no seu interior lhe diz, “Chega. Não diga mais nada”. Essa vozinha, embora delicada, é muito forte, e você sabe que dizer algo mais não seria sábio.  Mas depois de pensar um minuto, decide seguir em frente, na carne! E poucos minutos depois está no meio de uma guerra declarada! Assim que o Espírito diz, “Chega”, precisamos parar. Se continuarmos, estamos pedindo para viver frustração e derrota.




Postar um comentário