Mulheres, Deixem Os Homens Serem Cavalheiros!




Não sou defensora do movimento feminista. Aliás, discordo, com base na Bíblia, de alguns de seus ideais; mas reconheço que hoje usufruímos de direitos conquistados por mulheres que lutaram muito.
Alguns desses direitos legítimos são: assinar contratos, ter o nome em propriedades, direito ao voto, direitos trabalhistas, direito à contracepção, cuidados como o pré-natal e a licença maternidade, ter a integridade física preservada, etc.
Todavia, nessa busca pela igualdade, perdemos algumas coisas peculiares à mulher e a sua natureza feminina. E sobre isso gostaria de escrever e promover um comportamento que está se perdendo.
As mulheres pediram a liberação sexual: nos últimos 40 anos, foi visível o aumento da promiscuidade, das doenças sexualmente transmissíveis e da gravidez indesejada. Milhões de crianças têm nascido sem um lar para acolhê-las, sequer sabem quem é o pai. As mães precisam ir aos tribunais exigir pelo menos uma pensão; amor nem entra em questão.
As mulheres têm se entregado para quem deseja apenas o seu corpo e não estão dispostos a amar a alma que está ali.
Liberdade é um presente que recebemos de Deus quando nascemos, mas tem um preço, que é saber fazer as escolhas certas. Porque senão a conta chega e ela pode ser alta demais.
Elas também estão impedindo os homens de serem o que eles foram designados para ser: protetores. Mesmo que você trabalhe, que seja fácil abrir a porta, que tenha as respostas, que saiba trocar lâmpadas etc., permita que seu marido ou seu namorado seja gentil e lhe ajude.
Escuto mulheres reclamando que não existem mais homens românticos e cavalheiros, mas elas mesmas estão se comportando para que isso seja extinto.
Antes de sair para carregar todas as sacolas e reclamar que não se faz mais homens como antigamente, que tal dizer: “Quem me dera ter a força que você tem, meu amor, que eu conseguiria carregar todo esse peso…” A reação dele será imediata: segurará todo peso e, quem sabe, não a segura no colo também, para mostrar que é forte, rs?
Deixe que ele abra a porta do carro, puxe a cadeira, ceda a sua vez, segure o guarda-chuva, a proteja com seu paletó, abra o pote de azeitona, chame o garçom…
Não somos fracas porque gostamos de flores, de um elogio quando vamos ao salão de beleza ou porque gostamos de conversar…. Só somos mulheres.
E que regra é essa que a mulher tem que dividir a conta do restaurante toda vez?
Se ele tem condições de pagar, não tem mal nenhum nisso!
No passado as feministas foram às ruas e queimaram seus sutiãs, sapatos de salto alto, maquiagens, cílios postiços, cintas… como forma de protesto. Rapidamente elas descobriram o que já sabiam: era muito difícil ficar sem eles. Tiveram que comprar tudo de novo. Será que somos inferiores porque usamos, precisamos e gostamos disso?
Inibir um homem de ser um cavalheiro é fazer o mesmo.
Se você é sábia, deve saber perfeitamente o que é bom e o que precisa como mulher. Nada de imposições que roubam o privilégio de ser mulher.
E homens e mulheres merecem ser tratados com igual dignidade e respeito, dentro das suas diferenças.
Esse tema dá uma boa conversa. Qual é a sua opinião?
O que você sente falta hoje e o que pediria para que os homens mudassem?
Não sei se eles vão ler nossas opiniões, mas pelo menos vamos esclarecer mais esse assunto, não acham?
Hum…tive uma ideia: que tal você mandar este post para um amigo e ver a opinião dele?
Um beijo grande! 



Postar um comentário