Podemos mandar, exigir ou determinar alguma coisa a Deus?


PETIÇÃO OU DETERMINAÇÃO?


Esse ensino se tornou mais um modismo no meio evangélico, sendo fácil encontrá-lo tanto nas mensagens de grandes pregadores como de cantores.

É um fato também que esse ensino tem causado muitas controvérsias; nem sempre os crentes têm entendido a suposta diferença entre !petição" e "determinação". Há relatos de crentes que migraram para outra igreja por entenderem que a sua igreja de origem ocultou-lhes a verdade, não lhes ensinando a importante doutrina da "determinação".

Sabedor das dificuldades que esse ensino tem causado na comunidade evangélica, R.R. Soares tem, ultimamente, tentado suavizá-lo. É o que percebemos quando um dos seus leitores indaga na Revista Show da Fé, na seção "minha resposta".

Em João 14.13,indaga o leitor, está escrito: " E tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho". Dizem que a tradução correta não é PEDIRDES, mas DETERMINARDES. Se isso é verdade, a pessoa pode determinar que o mal saia de sua vida ou ocorra uma bênção profissional ou material? A pessoa pode determinar aquilo que quiser?"

Ali, Soares respondeu:

" O âmago dessa questão não é, simplesmente, uma questão de tradução - se é "pedir" ou "determinar", mas aquilo que é pedido ou determinado. Toda promessa bíblica é verdadeira e autêntica, pois aquEle que a faz é a Verdade (Jo 14.6; 17.17). Nosso equívoco, muitas vezes, é não prestar atenção no contexto da promessa em que estão colocadas as condições necessárias para que a bênção se cumpra. Nesse caso, o contexto começa no versículo 12: "Na verdade, na verdade vos digo que aquele que cr~e em mim também fará as obras que eu faço e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai" (Jo 14.12). Ou seja, aquilo que determinamos se realizará, pois será para fazer a obra de Deus, e não para satisfazer o nosso ego ou nossa ganância. Sobre isso, o apóstolo Tiago não podia ser mais direto, quando disse: "Cobiçais e nada tendes; sois invejosos e cobiçosos e não podeis alcançar, combateis e guerreais e nada tendes, porque não pedis. Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus" (Tg 4.2-4b). O restante do contexto da maravilhosa promessa aludida na pergunta está na frase final dela mesma: "Para que o Pai seja glorificado no Filho". Algo que não glorifique ao Pai na pessoa do Senhor Jesus Cristo jamais se tornará realidade como cumprimento da Palavra, pois a bênção somente ocorre quando promove a glória devida ao Senhor. Jesus ensinou isso quando vinculou a necessidade de estarmos nEle e sua Palavra em nós, para que nossa oração fosse sempre respondida afirmativamente: "Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito" (Jo 15.7).

Na resposta dada por R.R. Soares, fica evidente que há uma tentativa de se minimizar a celeuma criada por esse ensino no meio evangélico. Todavia, Soares já havia escrito em seu livro COMO TOMAR POSSE DA BÊNÇÃO, como de fato ele entende essa passagem:

Ali, ele escreveu:

"AQUI ESTÁ A GRANDE REVELAÇÃO. ESTA PALAVRA PEDIRDES ESTÁ MAL TRADUZIDA. DEVERIA TER SIDO TRADUZIDA POR DETERMINARDES. O VERBO TRADUZIDO DA LÍNGUA GREGA POR PEDIR TEM O SENTIDO DE DETERMINAR, EXIGIR, MANDAR. EM OUTRAS PALAVRAS, NÃO PRECISAMOS PEDIR AO SENHOR A BÊNÇÃO, E SIM EXIGIR QUE ELA SE MANIFESTE EM NOSSA VIDA. AQUI RESIDE PRATICAMENTE METADE DO SEGREDO DO SUCESSO NA VIDA ESPIRITUAL. EXIGIR A BÊNÇÃO QUE, SEGUNDO A PALAVRA, JÁ É NOSSA, É SIMPLESMENTE CONCORDAR COM O SENHOR E NÃO DEIXAR O DIABO FICAR COM AQUILO QUE NOS PERTENCE".
 .
Esses comentários contraditórios de Soares acabam por deixar o leitor confuso, pois enquanto um afirma uma coisa, o outro contradiz totalmente o que foi dito anteriormente. 
Não me entenda mal, não tenho nada contra a pessoa de R.R. Soares, a meu ver entre os neopentecostais ele é o que menos inovações apresenta. Todavia acredito que sua doutrina precisa ser corrigida em alguns pontos, como, por exemplo, o que está sendo feito aqui.

Pois bem, será que de fato nossas Bíblias traduzem esse termo equivocadamente? O correto é "pedir" ou "exigir" algo a Deus?

o verbo grego AITEO traduzido em nossas Bíblias com PEDIR ocorre 70 vezes no texto grego. Em nenhuma passagem do Novo Testamento grego essa palavra possui o sentido de DETERMINAR, MANDAR OU EXIGIR. O clássico dicionário do Novo Testamento grego de Vine, citado frequentemente por Kenneth Hagin e R.R. Soares, por exemplo, comenta esse termo da seguinte forma: "Pedir (aiteo), se deve distinguir de EROTAO. Sugere com maior frequencia A ATITUDE DE UM SUPLICANTE, a petição de UM INFERIOR EM RELAÇÃO AQUELE A QUEM SE DEVE FAZER A PETIÇÃO, por exemplo, no caso de homens pedindo algo a Deus (Mt 7.7); de um filho a um progenitor (Mt 7.9); de um súdito a um rei (At 12.20); dos sacerdotes e o povo a Pilatos (Lc 23.23); de um mendigo a um viajante (At 3.2). Por outro lado, Etelbert Bullinger em seu léxico grego analítico traduz como "rogar", "implorar", "suplicar", acrescentando: "IMPLICA UMA DISTINÇÃO EM POSIÇÃO E CIRCUNSTÂNCIA ENTRE AS PARTES, E EXPRESSA A PETIÇÃO DE UM INFERIOR PARA UM SUPERIOR".

Há outras passagens que ilustram isso:"E qual o pai dentre vós que, se o filho lhe pedir (aiteo) um peixe, lhe dará em lugar de peixe uma serpente?" (Lc 11.11). Aqui fica claro que o filho não "determina", não "exige", nem tampouco "ordena" que seu pai lhe dê um peixe. Em Mateus 20.20 está escrito: "Então, se aproximou dele a mãe dos filhos de Zebedeu, com seus filhos, e, adorando-o, e fazendo-lhe um pedido (aiteo). Não podemos aceitar a ideia de que a mulher de Zebedeu estava "determinado" a Jesus, quando glorificado, que permitisse que seus filhos se sentassem um a sua direita e outro a sua esquerda. Por duas razões: primeira, o texto é claro em dizer que ela "adorando-o" pediu. Isso significa atitude de reverência e súplica, e me segundo lugar porque o pedido não foi atendido.

A ideia, portanto, de usar esse verbo com o sentido de "determinar", "mandar", "ordenar" não é bíblica. Os eruditos põe sempre commo primeiro significado de AITEO o termo "pedir" ou "suplicar"; outros observam que é "no grego profano", que AITEO signfica também "exigir". Foi desse último significado que o norte-americano P.C. Nelson extraiu a ideia de "exigir" passando posteriormente para Kenneth E. Hagin e deste para R.R. Soares, culminando na doutrina da determinação ou do direito legal dos crentes. 

Acredito que o cristão deve sim ser determinado em sua fé e específico em suas orações, mas isso não lhe dá o direito de exigir de Deus nenhuma de suas bênçãos como se Ele tivesse ficado prisioneiro de leis que criou. Para recebermos a concretização das promessas que Deus nos prometeu não necessitamos de nenhum mantra, mas apenas da fé inabalável em sua santa Palavra. 

(Extraído do meu livro: DEFENDENDO O VERDADEIRO EVANGELHO, CPAD, 2009, pp.171-174).
Postar um comentário