A vida do Evangelista

Publicado em março 18, 2013 por paullasanchez
Definição:
euaggelistés (gr) aquele que declara com antecedência boas-novas.

Referências importantes:
Efésios 4:11
II Tm 4:5
Atos 8:26-39

Vemos nesses textos uma atuação evangelística na rua, no caminho, onde fosse necessário. Infelizmente hoje a maioria dos evangelistas estão dentro das igrejas pregando para as almas perdidas encontradas e não para as almas encontradas que estão perdidas dentro da igreja, para essas há outros ministérios que precisam entrar em ação. Sua forte unção para exortar deve abençoar a igreja sim, mas ali não é seu destino final.

Para demonstrar o fruto do seu ministério o Senhor equipou os evangelistas com uma forte unção de cura e libertação. Atos 8:6-7. Enfrentando a incredulidade e dúvida do mundo, o poder de Deus muitas vezes é usado para trazer convicção do Evangelho. No texto de Atos o povo de Samaria não tinha outra opção senão prestar muita atenção em Filipe.

Devemos tomar muito cuidado porque hoje prepara-se um cenário lindo para a evangelização, mas que não passa de um talk show onde há ritmos e slogans bonitinhos porém, sem demonstração de poder no Evangelho, sem autoridade, sem cura de enfermos, sem expulsão de demônios, sem batismos, sem unidade, sem salvação genuína. Devemos ser evangelistas em primeiro lugar, convictos do chamado de Deus e em segundo, cientes de que não estamos ali para animar o intelecto e emocional das pessoas, mas para demonstração de poder que leva à conversão.

Para que essa demonstração aconteça de forma eficaz, algumas características são imprescindíveis ao evangelista:

1) SUA VIDA E CARÁTER
Esses devem condizer com sua pregação. Não que devamos pregar apenas o que já vivemos, mas buscar viver a cada dia o que temos pregado. A palavra diz que naquele grande dia muitos serão expulsos da presença do Senhor por não se preocuparem com sua conduta, apenas com seus ministérios. É intolerante ouvir um evangelista ambíguo, que para falar do amor de Jesus tem todo amor, mas para se referir a qualquer outra pessoa e assunto, a ousadia de sua pregação parece se converter em arrogância, anulando aquilo que prega, por isso ter esse cuidado e deixar ser aperfeiçoado e feito sábio.

2) PROFUNDIDADE BÍBLICA E ESPIRITUAL
O ministério evangelístico não é o ministério de quem ainda não aprendeu a Bíblia o suficiente para se tornar pastor. Os evangelistas lidam com diversas seitas, heresias, sofismas ao longo do caminho e precisam ser treinados a conhecer além da cultura local, a Palavra de Deus, as falsas religiões e realidades do mundo espiritual, para que não incorra no erro de entrar em áreas das quais não tem autoridade para entrar ainda. Por essa razão não é incomum encontrarmos evangelistas Pós-viagem ou campanhas, totalmente retaliados espiritualmente e com semblante de uma verdadeira derrota espiritual. É preciso maturidade nessas áreas para que o chamado de uma vida inteira não se transforme num evento único por falta de preparo adequado.

3) BOM RELACIONAMENTO COM A SUA LIDERANÇA
Paulo sempre retornava a assembléia em Antioquia depois de suas viagens missionárias (Atos 14:26-28). Não podemos politizar nosso ministério evangelístico tornando-o uma empresa secularizada e independente. O responsável por manter esse ministério é a casa local onde o evangelista congrega e esse deve de igual maneira cumprir com seus deveres de membro, do contrário, teremos uma geração de evangelistas difíceis de lidar, ensinar e corrigir. A fraqueza que poderia ser cuidada dentro do rebanho é facilmente ignorada ou transferida para um conselho administrativo que passa a dizer até como o evangelista deve se comportar. É preciso compreender e honrar a liderança que está estabelecida sobre nós.

Sem contar que muitos “itinerantes” que encontramos por aí, são fruto de rebeldia, insubmissão e ignorância dessa responsabilidade para com a igreja e liderança local e, obviamente, por falta de treinamento, são líderes incompletos, deficientes e posteriormente minados.

Que Deus nos ajude a corresponder à altura do Seu comissionamento.
No amor de Cristo,
Ana Paula Sanchez


Postar um comentário