Não deixe as águas ficarem retidas...

Ministração da Ana Paula Valadão, realizada na gravação do DVD “Rio” da Nivea Soares
Fonte da transcrição: www.geracaodt.com

... Nós queremos ver o Rio de Deus! Queremos beber de suas águas, queremos ser fonte a jorrar, queremos ver esse rio invadir ... a começar em nós Senhor, das nossas casas e das nossas igrejas. ... nós só somos os recipientes, os tanques, nós que somos os que têm dentro de si a fonte, temos vendido, tampado, entupido, isso não tem jorrado. Se a terra está seca, é por nossa causa. Abra a sua boca e erga a sua voz.

Ana Paula e todo o coral se ajoelham pra um momento intenso de intercessão:

... Tens nos dado tanto Senhor, tens nos dado tanto Senhor, tens nos dado tanto Senhor! E os sedentos buscam dessas águas, e não encontram porque não vamos até eles, porque não vamos até eles, porque não vamos até eles Senhor!

Quantos doentes estão nesse mesmo momento, nesse exato momento Senhor, sozinhos num leito de hospital, se sentindo tão sós, precisando Senhor do Teu toque, mas onde estão as tuas mãos Senhor?

Nossas mãos estão amarradas, nossas mãos estão ocupadas Senhor em tantas outras coisas, mas não tocamos os feridos, porque temos nojo deles Senhor, porque não queremos sujar as nossas mãos, porque não queremos sujar os nossos pés, e ir ao encontro daqueles que estão Senhor, presos, marginalizados Senhor no meio das prisões, no meio dos asilos, nos lugares Senhor aonde ninguém quer ir, aonde nós não queremos ir, perdão Senhor!

Quantas crianças estão Senhor, nas nossas ruas, quantos órfãos Senhor! Mas só pensamos no nosso conforto, na segurança dos nossos filhos, só pensamos no nosso futuro, e não queremos abrir nossas famílias pra receber alguém! Só queremos o que eles podem dar pra nós.

Perdão Senhor! Porque queremos criar filhos pra nossa alegria, e não mudamos a história da vida de ninguém Senhor! Perdão Deus!

Perdão Deus! Porque muitos vizinhos que vivem a nossa frente, ao nosso lado, estão com a vida destruída, mas não nos incomodamos, não nos importamos Senhor, não nos dispomos a bater na porta e dizer que há uma vida diferente pra aquela família, pra aquele casal, pra aqueles filhos.

Nos fechamos, fechamos nossas janelas, fechamos a nossa porta Senhor. Perdão Senhor! Perdão Senhor por não abrirmos a nossa boca no nosso trabalho, pra profetizar, pra liberar uma palavra de vida, nós engolimos seco a cada oportunidade, e nos acovardamos Deus.

Perdão Senhor, Perdão Senhor, Perdão Senhor. Porque temos murchado, na ausência de água Senhor...

Nessa noite Senhor em que somos impactados com a grande onda, com a grande cachoeira que o Senhor está derramando nesse lugar. Nessa noite ó Deus em que o Senhor nos inunda com o Teu derramar, nós queremos dizer Senhor: levanta-nos, levanta-nos Senhor!

Levanta-nos Senhor! Levanta-nos Senhor como parte desta geração, levanta-nos Senhor como parte dessa geração ousada, cheia do Teu Espírito Santo, que não se intimidará, que não irá se curvar, que não fechará a sua boca, que não fechará a sua porta, que abrirá a porta da sua casa, que enviará Senhor, que enviará as suas águas, as águas, as águas aos sedentos. Leva-nos Senhor, leva-nos Senhor, leva-nos Senhor, leva-nos nas suas águas Senhor, leva-nos Senhor, leva-nos Senhor à correnteza do Teu Rio, àqueles lugares onde ainda não fomos, ou aqueles lugares onde abandonamos, leva-nos Senhor.

Deixa o Teu rio nos levar, que ele arrebente as cordas que nos prendem nas nossas estruturas, no nosso conforto, no nosso comodismo, na nossa tradição, na maneira em que fomos criados, nos nossos medos, nos nossos receios, que ele arrebente Senhor, tamanha a violência de suas águas, e que ele nos arraste!

Leva-nos Senhor! Leva-nos Senhor com Teu poder! Porque esse é o anseio do nosso coração, queremos ir onde o Senhor está, sim Senhor! ...

Diga ... sim ao chamado do Senhor!

Ana prossegue após a oração:

A verdade é que aqueles ministérios que 
não disserem "sim", vão murchar e secar. Podem até viver como cascas, mas sem vida interior, sem a manifestação da glória de Deus. Mas aqueles que se soltarem e se renderem ao fluir do Espírito Santo, que está nos levando a descer dos nossos saltos, que está nos levando a nos despir, a nos despir da nossa glória e vestir um manto de simplicidade para estar junto, junto, junto... Esses ministérios vão florescer, porque estarão plantados junto aos ribeiros de águas! Sim! Que no devido tempo dará o seu fruto, a sua folhagem não murcha, faça frio, faça calor, inverno ou verão, não morrerá, estarão plantadas juntos aos ribeiros de água. E quando o Senhor procurar o fruto da figueira, e não encontrar, Ele ordenará "seque para sempre". E quando Ele procurar o fruto da figueira e encontrar... (risos). Ele diz "eu sou a videira e meu Pai é o agricultor, todo aquele que permanece em mim dá muito fruto", aquele que não dá fruto o Pai corta, mas aquele que dá fruto o Pai trabalha, poda, pra que dê mais fruto, mais fruto. Diga sim ao Senhor! sim Senhor! Sim ao seu chamado! Encontra em mim o fruto que procuras, eu quero estar plantado junto aos ribeiros de água.

FIQUEM NA PAZ !
JULIANA MENI

Postar um comentário