A importância de uma boa comunicação para que os relacionamentos sejam bem-sucedidos

Resultado de imagem para boa comunicação casamento
Segue o Capítulo 5 do Livro “Antes de dizer Sim”, de Jaime Kemp
“A comunicação, sem dúvida, é o centro de todo relacionamento.

Nunca é demais frisar a importância de uma boa comunicação. Ela é a chave para o desenvolvimento de um relacionamento saudável entre "marido e mulher".

Existem várias diferenças entre um casal feliz e um infeliz.

Esta diferença se baseia no fato de o casal saber se comunicar ou não.

A Palavra de Deus nos diz em Provérbios 18:21: "A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto". Vida ou morte, felicidade ou infelicidade.

Essas coisas dependem de sua disposição e capacidade de comunicar-se.

Mas, o que é comunicação? "Comunicação é o processo verbal ou não verbal de transmitir uma informação a uma outra pessoa de maneira que ela entenda o que você está dizendo".

Comunicação é uma arte. Gastamos a vida inteira para aprendermos a ser eficientes nessa arte. Através do trabalho de aconselhamento que venho desenvolvendo com casais, creio que posso dizer, sem dúvida alguma, que uma das necessidades mais prementes da família é aprender a comunicar-se.

Qual é seu nível de comunicação?
Há pelo menos quatro níveis de comunicação. Todo casal que quer ser feliz no casamento deve estar comprometido a aprofundar seu relacionamento até chegar ao nível mais elevado da comunicação. Ao tomar conhecimento destes níveis de comunicação, avalie aonde você está em seu relacionamento familiar.

Nível quatro — é uma comunicação superficial, do tipo que traz impressão de segurança. A pessoa usa expressões como "bom dia", "como vai você?", "gostou do jogo de domingo?", "será que vai chover hoje?", permanecendo segura atrás da sua máscara. Por incrível que pareça, há muitos relacionamentos familiares em que os membros estão se comunicando apenas neste nível. Certamente quando Deus criou o homem e a mulher para serem companheiros, concebeu uma idéia de profunda comunicação entre os dois e não de conversa superficial.

Nível três — neste nível o casal está satisfeito em simplesmente relatar fatos sobre os outros; reportar o que outras pessoas disseram. Não é feito nenhum comentário substancial sobre os fatos. O indivíduo não sai da casca para dar-se a conhecer sobre o que pensa e sente. A comunicação é muito limitada. Não há possibilidade de sucesso em um casamento onde um não se abre para o outro.

Nível dois — aqui o indivíduo começa a relatar suas idéias e pensamentos. Este é o início de uma comunicação real. A pessoa está disposta a correr o risco de expor suas idéias e soluções próprias. Se você está-se comunicando a este nível, há esperança de poder aprofundar sua intimidade ainda mais.

Nível um — é uma comunicação total. A pessoa está disposta a compartilhar seus sentimentos, idéias e pensamentos.

Esta comunicação está baseada na honestidade e na abertura completa. E difícil atingir tal nível entre marido e esposa porque ambos correm o risco de serem rejeitados ou criticados. É ameaçador compartilhar todo o seu íntimo com a esposa ou marido. Entretanto, se você quer um casamento realizado, isso é vital.

Como já falei, muitas famílias, infelizmente estão-se comunicando aos níveis quatro e três. Eu hesito em usar a palavra comunicação nestes níveis porque, na verdade ela não passa de uma conversa superficial onde não há abertura e profundidade no relacionamento. Por que muitos casais e famílias não se comunicam mais profundamente? A meu ver, existem algumas razões: há pessoas que não têm possibilidade para conversar com outras. Elas nunca aprenderam a se comunicar abertamente e têm dificuldades até mesmo em formar frases. Outros têm medo de expor o que pensam e sentem. Eles não querem correr o risco de serem ofendidos
se alguém discordar deles. Às vezes, há pessoas que tomam a seguinte atitude: falar não vai resolver nada, então, é melhor ficar calado e deixar a comunicação pra lá.

A inferioridade é outro problema que interfere na comunicação. A pessoa pensa que não tem nada a oferecer. Pensa que suas idéias não têm valor. Tem uma auto-imagem muito baixa e, como resultado, evita fazer comentários ou expressar seus sentimentos pessoais.

Além das suas razões existem outros problemas que podem atrapalhar uma boa comunicação especialmente no meio familiar: lágrimas (geralmente é a mulher que chora); gritos — quanto mais alta a voz menor comunicação; atos de violência (bater um no outro, torcer o braço, paneladas na cabeça, pratos voando pela sala, marteladas na janela, etc); silêncio (este é o método predileto dos casais. Ambos
recusam expressar seus sentimentos e usam o silêncio como arma contra seu cônjuge); caretas (parece muito infantil para um casal de quarenta anos, quando irritado ou zangado, fazer caretas um para o outro. Mas, na realidade esta é a única maneira que muitos casais acham para se comunicar, na hora da briga).

Note bem: lágrimas, gritos, atos de violência, silêncio ou caretas — todas essas demonstrações físicas — são até certo ponto uma tentativa de se comunicar, mas infelizmente uma comunicação não eficaz. O casal que está-se empenhando
em atingir um nível mais profundo em sua comunicação, precisa deixar essas manias infantis e aprender a se expressar de modo mais adulto e maduro.

Conceitos bíblicos sobre comunicação
Deus é o melhor comunicador. Sua Palavra nos diz que "Ele se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade". Deus, na pessoa do Seu Filho Jesus, se tornou carne para transmitir ao homem o Seu grande amor. Através das Escrituras Ele nos revela muitos conceitos na área de comunicação. Escolhi dez princípios que penso serem os mais importantes para uma melhoria na comunicação no lar.

1. Comunicação é sempre uma via de duas mãos. Uma das melhores maneiras de fortalecer sua comunicação é desenvolver a habilidade de ouvir o seu cônjuge com interesse.

Dê sua atenção completa, inclusive com os olhos e as expressões faciais. Quando você concentra sua atenção, mostra que está não somente escutando com os ouvidos, mas com o coração, você poderá identificar-se com o que a outra
pessoa está sentindo ou experimentando. Isto demonstra amor e preocupação da sua parte. O apóstolo Tiago fala sobre esse tipo de comunicação: "Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar" (Tiago 1:19). O grande sábio Salomão expressou o mesmo pensamento de uma outra maneira: "Responder antes de ouvir é estultícia e vergonha" (Provérbios 18:13).

Quando sua esposa ou marido fala com você, certamente você ouve. Mas será que você realmente dá atenção a ele(a)? Amar é ser capaz de parar aquilo que você está fazendo, olhar para seu cônjuge e dar ouvidos e atenção enquanto ele fala. E uma arte a ser aprendida. Infelizmente inúmeras vezes a comunicação é prejudicada porque não sabemos ouvir, ou pelo menos não sabemos fazer com que o outro saiba que realmente está sendo ouvido.

2. Escolha o tempo certo para se comunicar. O apóstolo Paulo sugere esta idéia quando ele fala: "Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira" (Efésios 4:26).

Creio que Paulo está simplesmente dizendo: não deixe a ira se amontoar dia após dia, sem acertar contas. Ele está sugerindo que é possível discutirmos; mas que não devemos dormir sem ter resolvido o nosso mal entendido ou alguma discórdia que nos deixe magoados.

Cinco sugestões que funcionam na escolha do tempo certo:

a) Eu e a minha esposa chegamos à conclusão que, para nós, é melhor não tentar resolver problemas ou fazer decisões depois das dez horas da noite. A nossa tendência, quando estamos fisicamente cansados, é reagir negativamente a qualquer discussão. Por outro lado, na medida do possível, procurar acertar qualquer desentendimento que houve naquele dia.

b) Não brigue ou discuta em frente dos seus filhos. Se há uma coisa que cria insegurança e medo no coração da criança, é ter que ouvir e assistir uma briga entre seus pais.

c) Não brigue em público. Discussões familiares devem ser resolvidas somente entre a família. Como é fácil machucar seu cônjuge usando cinismo, indiretas ou palavras ásperas.
O pior de tudo é proceder desta maneira publicamente.

d) Não procure resolver problemas ou tratar de assuntos sérios quando um dos dois está envolvido em alguma atividade.

Esposa, por favor, não procure tratar de assuntos durante um jogo da seleção brasileira na copa do mundo. Minha esposa e filhas já aprenderam que somente em casos de emergência elas devem falar comigo na hora do jogo. Marido, quando sua esposa está enfrentando uma pia cheia de louça suja, depois de ter trabalhado o dia inteiro, esta não é uma boa hora para tratar de assuntos complicados ou delicados.

Talvez seja a hora de você pegar um pano de prato, e ajudá-la a enxugar a louça (assim ela poderá terminar antes a sua tarefa, e depois poderão conversar a vontade). Essa é uma alta expressão de comunicação. Gostou da idéia?

e) Marque, com sua/seu esposa/marido, uma hora específica para conversar e seja fiel àquele compromisso. Sábios são os maridos e esposas que sabem discernir qual a melhor ocasião e sabem esperar por aquela hora para conversar.

3. Fale sempre a verdade, mas fale com amor. Paulo disse em Colossenses 3:9: "Não mintais uns aos outros". E em Efésios 4:25 ele fala: "Deixando a mentira, fale cada um a verdade".

No meu seminário para jovens eu enfatizo a importância de se desenvolver a honestidade logo no início do namoro.

A tendência humana é não ser honesto. Isto faz parte da nossa natureza pecaminosa. Eu desafio a mocidade a fazer um compromisso mútuo de honestidade. Não adianta fingir se na realidade não somos aquilo que queremos demonstrar.

Por exemplo: a moça detesta pescar, o rapaz "adora". Quando namorados, certa vez ele lhe disse: "Querida, você não gostaria de ir pescar comigo amanhã?". E ela querendo "ganhar pontos" para ele, e mostrar como ela é "genial" e "esportiva", apesar de não gostar de pescaria, diz fingidamente: "Que jóia, eu adoro pescaria". Ela acorda às três horas da madrugada — ele prometeu pegá-la às quatro horas — e enquanto está preparando o lanche para os dois, fica se recriminando: "Por que aceitei esse convite?". Aí chega o namorado. 

Ela dá a impressão de que está gostando demais desse dia de pesca, e disfarça muito bem, dando a impressão que gosta de lidar com minhocas sujas e peixe, não reclamando dos muitos pernilongos. Muito bem! Então eles se casam. Alguns meses depois do casamento ele lhe diz: "Querida, vamos pescar juntos no sábado?". Ela diz: "Eu não vou, detesto pescar! Se você quiser, vá sozinho!". "Como?

Você gostava tanto de pescar comigo quando nós éramos namorados!". Blum, começa a briga... Veja o problema! Esta é a razão pela qual Deus diz que é importante falar a verdade. Este é um compromisso constante na vida conjugal. No altar você expressa o seu desejo  mais profundo de amar e amor exige honestidade. Você e seu/sua noivo(a) já assumiram um compromisso de honestidade e autenticidade? É essencial se comprometer a ter este nível de relacionamento. Vamos deixar de brincadeiras de crianças. Fale a(o) sua/seu noiva(o): "Querida(o), eu quero aprender a ser honesto(a) com você e quero que você o seja comigo". Isto será capaz de transformar a comunicação superficial
em uma comunicação verdadeira e profunda.

4. Não use o silêncio para frustrar o seu parceiro. O silêncio, especialmente por parte do marido, representa uma resposta negativa para a esposa. Ou então significa que o que um falou não teve importância alguma para o outro.

Se você hesita em responder, explique com calma o porquê.

Quando esta arma é usada freqüentemente no relacionamento conjugal ela pode ser extremamente frustrante. Às vezes, é questão de não saber como se comunicar. Em outros casos, a pessoa, por natureza, é quieta; se este for o caso, o cônjuge precisará de muita paciência. 

O problema oposto é quando a pessoa fala demais. A esse respeito a Bíblia tem muito a dizer, especialmente em Provérbios.
- O mexeriqueiro descobre o segredo, mas o fiel de espírito o encobre". (11:13).
- O que guarda a boca conserva a sua alma, mas o que muito abre os lábios a si mesmo se arruina " (13:3).
- Quem retém as palavras possui o conhecimento... até o estulto, quando se cala, é tido por sábio, e o que cerra os lábios por entendido" (17:27-28).

Seja no caso do cônjuge silencioso ou do que fala demais, o casal precisa submeter seu problema à obra do Espírito Santo.

5. Não seja precipitado ao responder. Espere até que seu cônjuge termine tudo o que queria dizer. Quantas vezes nós pensamos que sabemos o que o outro vai dizer e, sem consideração e educação, o cortamos pelo meio da conversa. Somente
depois descobrimos que não era nada daquilo que o outro ia falar (ou estava pensando em falar). Seria bom aceitar as palavras de Provérbios 15:28: "O coração do justo medita o que há de responder, mas a boca dos perversos transborda maldades".

6. Não se envolva em rixas. É possível discordar sem causar brigas. Paulo nos diz em Efésios 4:26: "Irai-vos e não pequeis". 
Parece-me que ele está dizendo que é possível ficar irado (creio que isto é uma santa raiva quando a reputação de Deus está em jogo). Ao mesmo tempo, ele diz que esta ira não deve levar-nos ao pecado. É a ira sem controle que se transforma em pecado. Quantas vezes uma palavra áspera machuca profundamente o espírito do outro. Veja Provérbios 18:14:
- "O espírito firme sustem o homem na sua doença, mas o espírito abatido quem o pode suportar?".

Quando alguém da família ataca outro, ele está esmagando o seu coração. No capítulo treze deste livro, eu falo sobre a importância dos pais quebrarem a vontade egoísta do seu filho. Entretanto, eles devem tomar o cuidado para não abater o espírito da criança. Aqui está uma distinção fundamental.

Você já foi esmagado pelas palavras ásperas do seu cônjuge? Tenho certeza que isto já aconteceu. Este é um dos pecados capitais de nossas famílias. Como seria bom se prestássemos mais atenção nas palavras de Salomão:
- "Como o abrir-se da represa assim é o começo da contenda; desiste, pois, antes que haja rixas " (Provérbios 17:14).
E é bom lembrar o que Paulo diz em Efésios 4:31: - "Longe de vós toda a amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda a malícia".

Amigo, você é capaz de dizer a sua esposa: "Querida eu não posso concordar com você a respeito deste assunto. Sei também que você não pode concordar comigo. Mas, de agora em diante, seja lá o que for que falarmos, vamos procurar não ferir um ao outro"? E você, esposa, pode dizer a mesma coisa? Se tomássemos esta atitude na comunicação, nosso relacionamento seria bem melhor e muitas brigas seriam evitadas.

7. Não responda com raiva. Use palavras brandas e respostas bondosas. Provérbios 15:1 nos afirma: "A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira". 

Creio que nunca esquecerei o encontro que eu tive com meu amigo Osiander Schaff da Silva. íamos almoçar juntos.

Estacionamos seu carro na rua, mais ou menos há duas quadras do restaurante. Em meio as alegrias do encontro, não percebemos que estacionamos em frente da entrada de uma garagem. Uma hora e meia depois, quando voltamos para o carro foi que percebemos o erro que havíamos cometido.

Na mesma hora eu olhei para a casa e na janela estava alguém que parecia "o incrível Hulk". Quando ele nos viu, saiu furioso, gritando, xingando e fazendo ameaças. Eu olhei para Osiander e disse: "Zi, agora é hora de pôr em prática Provérbios 15:1". Quando ele acabou de xingar todas as mães do Brasil e estava a ponto de nos dar uma surra, olhamos para ele e respondemos: "Nós erramos. Foi falta de consideração da nossa parte estacionar nosso caro em frente
à sua garagem. Queremos que o senhor nos perdoe". De repente, ele se encolheu, e, ficando calmo e tranqüilo, nos disse: "Ah, não foi nada. Qualquer pessoa poderia ter cometido o mesmo erro". Depois disso, nós nos cumprimentamos e fomos embora. No carro, olhei para Osiander e disse: "Zi, a Palavra de Deus tem razão, não tem?". E ele me respondeu: "Puxa, como tem!".

Responda sempre com palavras brandas e veja como isso mudará sua comunicação com outras pessoas.

8. Evite aborrecer seu cônjuge.
- ''No muito falar não falta transgressão mas o que modera os seus lábios é prudente". (Provérbios 10:19).

Falar demais não muda a outra pessoa.

Em vez de ficar falando, criticando e reclamando, procure viver uma vida exemplar não dando motivo de queixas e reclamações. Principalmente, ore pelo seu cônjuge. Veja Provérbios 21:1:
- "O coração do rei está na mão do Senhor e este, segundo o seu querer o inclina".

Se o coração do homem mais poderoso do reino está na mão do Senhor, quanto mais o coração do seu cônjuge. Se quiser insistir insista com Deus. Eu prometo que Ele não ficará aborrecido.

9. Esteja sempre disposto a dizer três coisas: 

1. eu estava errado; 
2. por favor, 
me perdoe; 
3. eu amo você. 

Não foi isto que Paulo falou em Efésios 4:32? - "Antes sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus em Cristo vos perdoou ".
Um espírito perdoador é essencial num relacionamento profundo.

10. Não culpe ou critique o seu cônjuge. Tome esta atitude:
"Eu não criticarei nenhum membro da minha família, mesmo que seja uma crítica justa, sem dar uma solução prática". 

Sempre procure, por outro lado, restaurar, encorajar, edificar. Gálatas 6:1 diz:

- "Irmãos, se alguém for surpreendido n'alguma falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o, com o espírito de brandura; e guarda-te para que não sejas também tentado".

Em toda família existem alguns pontos de vista diferentes, discussões e até brigas. Isso prova o fato que somos pecadores e precisamos depender muito de Deus.

Eu garanto que, se você procurar pôr em prática esses dez princípios de comunicação, sua vida, seu casamento e sua família serão transformados. Você ficará surpreso com aquilo que Deus pode realizar.”
Postar um comentário