NÃO!

Dificuldade de dizer 'não' está ligada à necessidade de agradar

  
·         Há pessoas que acreditam que precisam dizer "sim" sempre para serem amadas
Não são poucas as vezes em que o "sim" é falado mesmo quando a vontade é de dizer "não". Isso acontece até em situações corriqueiras. Por exemplo: quando um amigo pede novamente dinheiro emprestado, sendo que nunca pagou o que devia anteriormente. Ou quando um convite para um aniversário é aceito, mesmo que você esteja sem a mínima vontade de ir. Ou, ainda, quando um primo distante pede para se hospedar na sua casa em todas as férias dele.
Nesses momentos, o primeiro impulso, educadamente contido, é falar um sonoro "não". Mas a resposta é um "sim" simpático e, quase sempre, dito com falsa alegria. Surge, então, a pergunta: por que as pessoas, geralmente, têm tanta dificuldade em dizer "não"?
Em primeiro lugar, por se sentirem culpadas em não agradar o outro. "Elas acreditam que para serem amadas não podem se posicionar de forma contrária nem colocar limites nas relações. Além disso, também podem estar com a autoestima baixa, pois acreditam que não têm o direito de escolher e dizer 'não' a situações desagradáveis", diz a psicóloga Miriam Barros, especializada em terapia familiar, psicodrama e coaching.

Mas nem sempre a vontade de agradar e o fato de não querer provocar conflitos são os responsáveis pelo "sim". A psicóloga e psicoterapeuta Maura de Albanesi levanta outra questão: há aqueles que gostam de se sentir insubstituíveis. "É o tipo de pessoa que costuma achar que ninguém consegue fazer nada sem ela. E, mesmo que se sinta prejudicada e não queira fazer determinadas coisas, aceita porque, no fundo, gosta de se sentir poderosa e indispensável", explica.

Seja por um motivo ou outro, o fato de aceitar algo que não se queira fazer pode ter consequências além de um simples aborrecimento passageiro. "Ninguém deve se sentir obrigado a atender a todas as demandas que chegam nem concordar com tudo o que as pessoas dizem. Quem tenta agir assim fica sobrecarregado e pode até mesmo desenvolver alguma doença por causa do alto nível de estresse", fala Miriam Barros.

Portanto, aprender a dizer "não" é importante não só para evitar chateações, mas para poupar o lado físico. Um aprendizado difícil? Talvez, porém totalmente possível, dizem os especialistas. Também é importante lembrar que um "não" pode não ser tão catastrófico quanto se imagina. "As pessoas mais maduras conseguem separar as coisas e entender que o 'não' está ligado a um pedido específico ou a uma opinião divergente", acrescenta Miriam.
 


Especialistas ensinam técnicas para quem tem dificuldade de dizer 'Não'

  
O Mais Você de terça-feira (12) falou sobre a dificuldade que as pessoas têm de dizer "Não". A palavra é curtinha, mas, dependendo da situação, pode ter um impacto devastador. Tem gente que diz mesmo, na lata, mas outros não têm coragem de falar de jeito nenhum. Afinal, dizer "Não" é tão ruim assim? Vamos à história de Andreia Alves, do Rio de Janeiro. A esteticista até chora por não conseguir negar pedidos. "Para mim, é sofrido. Não sei por que eu sou assim, prefiro cortar relações a falar não para alguém", contou a moça, com lágrimas nos olhos. Casos como esse são mais comuns do que se imagina e podem exigir tratamento com medicamentos ou terapia. O Mais Você convidou a psicóloga Mônica Portella para ensinar técnicas para negar um pedido de alguém.

"O que acontece com a Andreia é uma dificuldade que se chama 'assertividade', que basicamente é a dificuldade de dizer 'Não' sem se sentir culpado, é a dificuldade de dar limites às pessoas, recusar pedidos". Mônica explicou também que uma das técnicas que ajudam muito é a do "disco quebrado": uma vez conhecendo os benefícios de dizer "Não", a pessoa vai repetir como se fosse um "disco rachado" que ela não pode atender a solicitação do outro. Além disso, fazer uma lista de vantagens de se dizer "Não" e carregá-la com você também pode ajudar.

De acordo com a psiquiatra Fátima Vasconcelos, esta dificuldade é comum em pessoas com problema de baixa autoestima. "A pessoa faz favor porque sente que os outros não gostam dela. Acha que gostam dela só pelos favores que faz. A baixa de autoestima pode gerar uma alteração de serotonina (substância do bem-estar), e isso pode variar desde uma infelicidade transitória a um quadro de doença. Caminhar, correr, liberar endorfina pode ajudar. Em outros casos, psicoterapia pode ser acompanhada de medicamento antidepressivo".


Postar um comentário