Porque é tão difícil dizer não

Resultado de imagem para NAO


Entrevista cedida   para o portal Minha Vida

Dizer “não” é importante para a saúde mental e emocional

Aprender a falar não pode ser importante para o equilíbrio emocional. As pessoas que “engolem tudo” e não colocam limites às solicitações externas podem estar alimentando sua própria baixo auto estima, pois demonstram que não conseguem valorizar suas necessidades e prioridades.
As pessoas as nosso redor podem não saber qual seria nosso limite e cabe a cada um de nós informar ao outro quando este limite chegou.

Desgaste que essa simples palavra pode trazer aos relacionamentos

As pessoas que não sabem dizer “não” podem sofrer caladas ou explodem em horas improprias. Ao sofrer calada há uma possibilidade maior de criar internamente um rancor contra as pessoas que a rodeia, e como este rancor não é expresso não há oportunidade de que estas pessoas mudem seu comportamento para algo que seja mais agradável para ela.
Quando a resposta é de explosão dificilmente a outra pessoa entende o porque disso, pois não foi informada pouco a pouco de que seu comportamento não estava sendo aceitável.

DIzer “não” x sentimento de rejeição

Esta relação é muito grande. Na maioria das vezes a dificuldade em dizer “não” aos outros se deve justamente ao medo de ser rejeitado. Algumas pessoas mais sensíveis simplesmente não suportam a possibilidade de alguém não a aprovar, e com isso faz tudo o que o outro quer dando a falsa impressão de que está tudo bem. Esta falsa harmonia tem prazo curto e em breve há ou uma explosão ou uma retirada definitiva da presença desta pessoa contrariada que não sabe dizer “não”.

Algumas  pessoas  tem mais dificuldade do que outras em dizer “não”

A necessidade de ser aprovado pelo outro é quase parte da natureza humana. Desde os tempos primitivos esta necessidade vem se consolidando com a percepção de que sobreviverá aquele que conseguem viver em grupo.
Alguns são ensinados desde o berço a obedecer aos adultos  e nisso implica em não falar “não”. Mas mesmo os bebes insistem em usar o “não”, ainda bem, pois este é um treino muito bem vindo. Aquelas pessoas que são mais oprimidas em sua infância provavelmente terão mais dificuldade em falar “não” quando adultas.

Querer sempre agradar aos outros

A necessidade em agradar sempre aos outros pode dificultar muito a capacidade de dizer "não" na hora certa e da forma correta.  A dificuldade em saber se impor e valorizar suas próprias necessidades pode impedir que a pessoa bloqueie os pedidos e colocações inconvenientes  de algumas pessoas. Esta dificuldade denota uma grande insegurança que deve ser superada a fim de que se viva uma vida mais leve e harmoniosa.

Achar que o problema dos outros é mais importante ou maior do que o próprio

A baixa auto estima costuma desmerecer suas necessidades e considerar que o problema do outro e sempre mais importante.

Medo de perder uma oportunidade X considerar que qualquer oportunidade pode ser válida

Estas duas características podem tem origens bem diferentes. A pessoa com medo de perder oportunidade pode ter vivido situações em sua vida onde foi traumático o fato dela não ter reagido. E uma pessoa que considera que qualquer oportunidade é algo válido pode ter sido alguém que simplesmente não aprendeu a colocar limites na própria vida.

Alguns não usam a palavra “não” por serem muito prestativas e sempre querem ajudar

A pessoa que não fala “não” pelo prazer de ser prestativa pode também ser um viciado – o que não é reconhecido pelos outros pois seus atos são percebidos como algo “do bem”, mas este exagero em ajudar a todos sem se importar com seu próprio bem estar pode sim ser reflexo do vicio pela adrenalina desfrutada a cada ato prestativo.

Medo de conflito

O medo do conflito pode ter a ver com sensação de incapacidade em lidar e ele. Esta pessoa pode aprender que tem muito mais força do que acredita e perceber que o outro nem sempre é tão invencível como ela imagina.

Medo que o outro se sinta rejeitado

Muitas vezes o medo que o outro se sinta rejeitado tem a ver com a própria incapacidade em lidar com rejeições. Quando percebemos que rejeição não mata e podemos passar por cima dela quando temos consciência do que estamos fazendo ficamos mais fortes em lidar com o sentimento de rejeição do outro.
*O material deste site é informativo, não substitui a terapia  ou psicoterapia  oferecida por um psicólogo
Psicóloga   Marisa de Abreu - CRP 06/29493-5






Postar um comentário